Giárdia em cães e gatos

A giardíase é uma doença causada por um protozoário que pode infectar cães, gatos e pessoas. Um problema visto com bastante frequência em cães e gatos nos dias de hoje.

Transmissão
Os cães e gatos são infectados a partir da ingestão de água e/ou alimentos contaminados com cistos oriundos das fezes de outro indivíduo doente (conhecida como transmissão indireta).

O risco da infecção por giárdia é mais acentuado quando ocorre alta densidade populacional, tanto humana como animal, associado a falta de higiene. Nestes locais ocorre a infecção direta (contato entre indivíduos contaminados) e indireta (contato com fezes contaminadas).

O cisto (forma infectante) é capaz de sobreviver durante meses em ambiente úmido, porém os cistos são inativados pela maioria dos compostos de amônio quaternário, água sanitária, vapor e água fervente.

Após serem ingeridos, transformam-se em trofozoítos que é a forma causadora da doença. Já no intestino do animal, esse parasita adere ao epitélio intestinal, não apresentando capacidade invasora ou destrutiva direta.

A susceptibilidade a contrair a doença aumenta quando houve transferência inadequada de imunidade materna, doença concorrente, estresse ou nutrição inadequada. Essas observações indicam que a giárdia é um parasita que pode ser facilmente transmitido entre as espécies animais e que animais infectados podem desempenhar o papel de reservatórios para humanos.

As deflagrações da doença em proporções epidêmicas têm sido, na maioria das vezes, atribuída à transmissão pela água, pois sua contaminação com efluentes humanos e com fezes de animal infectado pode levar a infecções amplamente disseminadas, tanto em humanos quanto em animais.

Uma vez que os cistos da giárdia podem sobreviver em água por vários meses, a fonte de contaminação é muitas vezes difícil de ser determinada. Contudo, as fezes dos animais, tais como cães, bovinos, ovinos, cavalos e suínos, representam um grande potencial para contaminação da água e dos alimentos, carecendo de medidas de saneamento cada vez mais intensivas.

Compartilhar no facebook